Com Ciência,  Uncategorized

Shampoos: Formulação

Olá pessoal!

Tenho alguns grupos no Facebook e no Whatsapp, e vejo muitas meninas pedindo para salvar os cabelos, então pensei em escrever um texto sobre como ter um cabelo saudável, mas para isso precisava escrever sobre o cronograma capilar, mas antes sobre as técnicas No e Low Poo. Mas, como falar de técnicas que utilizam “pouco” ou “nenhum” Shampoo, sem antes explicar o que é o Shampoo?!

Então, surgiu este post.

Nele vou desformular a composição geral do shampoo.

O shampoo

O principal objetivo do shampoo é limpeza dos cabelos e do couro cabeludo, e um bom shampoo, deve:

  • Deixar os cabelos soltos, leves, brilhantes e fáceis de pentear;
  • Diminuir a eletricidade estática, diminuindo os frizz;
  • Não modificar o pH do couro cabeludo.

pH: por que essa informação é importante nos cosméticos

Composição

Agentes de Lavagem

São a base da composição dos Shampoos. E é essencial a presença de um ou mais tensoativos, que por sua vez, devem estar em concentração suficiente para limpar os cabelos em toda a sua extensão.

Os tensoativos apresentam a propriedade de reduzir a tensão superficial ( que é a força necessária para romper uma superfície) da água e de outros líquidos. Apesar de possuírem uma composição química muito variável, apresentam uma característica comum: possui uma porção apolar (hidrofóbica) que é capaz de interagir com lipídios e uma polar (hidrofílica) que interage com a água.

Classificação dos tensoativos

Aniônicos

Os tensoativos aniônicos são os mais comuns empregados nos shampoos. Existe grande variedade, mas os achados  com maior frequência são os sulfatos ou éter sulfato de álcool graxo. Estes, limpam muito e produzem muita espuma. Mas, sua ação deslipidante não deve ser levada ao extremo porque, se a queratina do cabelo suporta bem esta deslipidação, o mesmo não ocorre com o couro cabeludo. Sua ação, portanto, é na maioria das vezes equilibrada pela associação com outros aniônicos mais leves ou com outros tensoativos tais como os anfóteros ou os não iônicos.

São exemplos de tensoativos aniônicos: lauril sulfato de sódio, lauril éter sulfato de sódio, lauril éter sulfato de trietanolamina.

Catiônicos

Esses tensoativos têm uma grande afinidade com a queratina, à qual conferem maciez e brilho. Eles facilitam o desembaraçar dos cabelos e diminuem a eletricidade estática. Mas esta afinidade os torna difíceis de separar do cabelo no enxague e, deixando-os mais pesados. Eles não são muito utilizados e são incompatíveis com os aniônicos. Na prática, os tensoativos catiônicos são formulados com não-iônicos. Além disso, possuem características bactericidas e antissépticas, sendo pois sua aplicação um complemento no tratamento dos cabelos.

São exemplos de tensoativos catiônicos: cloreto de olealcônio, cloreto de distearildimônio, etersulfato de isostearil etildimônio.

Anfóteros

Estes tensoativos apresentam um poder detergente e espumante menor que os aniônicos, mas em geral, são muito bem tolerados. Costumam ser associados a outros tensoativos para modular as propriedades de lavagem e espuma. Eles são a preferência na composição de shampoos para uso diário e também shampoos infantis.

Exemplos de tensoativos anfóteros: A betaína (ácidos graxos clorados e trimetilamina), a cocoamidopropil betaína, e a cocoamidopropil hidroxisultaína.

Tensoativos não-iônicos

São considerados bons emulsionantes, umectantes ou solubilizantes. Muitas vezes estão associados aos tensoativos anfóteros ou aniônicos pouco agressivos, para fazer deles shampoos leves. Eles são considerados como os mais leves dos tensoativos tendo, no entanto, um bom poder detergente, mas não forma espuma.

Tensoativos não-iônicos utilizados na indústria cosmética: alcanolamidas de ácidos graxos (MEA, DEA , TEA), polietilenoglicol e derivados.

Como um tensoativo funciona:

Lavar o cabelo consiste em tirar a sujeira com água. Só que a sujeira é basicamente formada por substancias hidrofóbicas, como gorduras, então a água não interage bem com a sujeira. Assim, os tensoativos proporcionam um aumento do contato da água com a sujeira a ser removida.

Estabilizadores de Espuma

Acredito que isso tem mudado, mas até pouco tempo, um shampoo que espumasse muito era um shampoo que limpa muito. Isso tem mudado, mas ainda sim a indústria utiliza de compostos para melhorar o poder espumantes dos shampoos, tais como carboximetilcelulose (CMC), fosfatos, alcanolamidas etc.

Espessantes

Os espessantes são substâncias que permitem aumentar a viscosidade, dando ao usuário a impressão de ter um produto mais concentrado. Uma série de produtos podem ser utilizados como espessantes. Entre eles podemos citar sais, alginatos, carboximetilcelulose (CMC), metilcelulose (MC). Os principais são os alcanolamidas de ácidos graxos, pois apresentam uma série de vantagens sobre os anteriores, tais como poder engordurante e estabilizador de espuma. Os primeiros apresentam inconvenientes como turvação, influenciam na transparência e na estabilidade do produto. Os alcanolamidas que apresentam ótimo poder espessante são: dietanolamida do ácido graxo de coco, do ácido mirístico, láurico e oléico.

Agentes engordurantes

Para evitar a retirada excessiva de gordura pelo tensoativo, utiliza-se agentes engordurantes. Os mais usados são alcanolamidas, lanolina e derivados hidrossolúveis, derivados de lecitina etc.

Agentes perolantes

Em casos especiais, pode-se desejar que o xampu apresente aspecto sedoso ou perolado e para tanto se utilizam certos aditivos que sob certas condições apresentam esta característica. Tais aditivos são esteres de ácidos graxos, sabões metálicos e certas alcanolamidas de ácidos graxos.

Conservantes

Devido à presença de água e diversos componentes orgânicos, os xampus apresentam susceptibilidade à contaminação microbiana, tornando-os inadequados ao consumo. Por isso, faz-se necessário o uso de alguns conservantes tais como metilparabeno e propilparabenos (Nipagin ® e Nipazol ® ).

Essências e Corantes

São destinados a dar ao xampu sua característica olfativa e visual. Estas características devem satisfazer as expectativas do consumidor.

Diluente

O diluente mais utilizado é a água.

Como formular um shampoo

Fórmula geral de um shampoo líquido é a seguinte:

  • Tensoativos (agentes de lavagem): 15-25%
  • Estabilizador de espuma: 1-4%
  • Espessante: 0-5%
  • Aditivos cosméticos ou de tratamentos: q.s.
  • Agente quelante (EDTA Na): 0-0,2%
  • Conservante: 0,1-0,3%
  • Água purificada: q.s.

Olhando a fórmula

Peguei um exemplo de shampoo que tinha aqui em casa só para ilustrar, não vou entrar em detalhes da composição, é só mesmo para exemplificar.

newproject_2_original-134649903407454958826-1024x1024 Shampoos: Formulação

Esse shampoo tem uma fórmula bem “limpa”. Seu primeiro composto é o diluente ( no caso, a água), esse shampoo é predominantemente anfótero (uma dica para olhar fórmulas, normalmente são escritas com os compostos em maior quantidade para os de menor quantidade). Mas ele ainda assim apresenta tensoativos aniônicos. Não possui espessantes, nem estabilizadores de espuma, nem agentes engordurantes e perolantes, existe um aditivo cosmético, a glicerina, que é também um agente higroscópico (absorve água do ambiente) e emoliente. O restante da fórmula é basicamente conservantes, perfume e corantes.

Referência

Curso de Bioquimica da Beleza USP

9 Comentários

Deixe uma resposta